Introdução


Somos um grupo de escritores que funcionamos como comunidade, melhoramos através da partilha de textos através deste blogue, tentaremos também sempre que possível passar noticias e informações relevantes para o bem estar de todos.

Contamos com o apoio não só dos leitores e amantes da poesia como de todos os que tenham textos para publicação neste blogue, para teres o teu texto editado é simples : apenas tens de enviar um email para poesiaportugal@gmail.com com o/os textos que desejas ver publicados e será te dado acesso para publicares o teu texto.

O Banner Deste Blogue encontra se Acima , Caso tenha Gostado do blogue e nos queira ajudar a divulgar o nosso trabalho por favor contacte o email acima a pedir o código do banner de forma a ser nosso parceiro de "publicidade"

Esta comunidade tem como objectivo chegar ao maior numero de membros activos. para isso contamos com o vosso apoio e colaboração.

Agradecemos desde já todo o apoio ...

Ajuda na divulgação do Blogue



Facebook

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Conhecimento

O vosso sorriso hipócrita
esbarras  em palavras  de conhecimento
tentei fazer parte de vós

escolhi estar só
ser como vós já nem tento

era uma vez... uma infância
só de gente, só de si
um choro atrás de choro
por solidão quase me perdi

era uma vez... um Mundo
de sorriso enganador
entre o faz de conta e o vosso amor
escolhi, não pensar mais na minha dor

domingo, 2 de setembro de 2012

.: CASCA E MIOLO

.: CASCA E MIOLO: CASCA E MIOLO Ouço dizer de alguém: A casca é o que lhe resta. Normalmente é uma pessoa, Que para muitos não presta, Suas felpas incom...

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Tu beijaste um parvo

Tu beijaste um parvo.
Um parvo que não sabe mudar.
E levou-te o coração por uns tempos
Como tu a mim.

Como eu gosto de ti.
Acredito que cairam lágrimas dos teus olhos
E acredita como eu queria
Contornar isso.

Sim estava a nascer um amor
Que morreu cedo
E tu estavas a beijar um parvo.
Poderia ter durado anos.

Tu estavas a beijar um parvo
Mas o céu continuava azul.
E na verdade eu é que te beijava.

Beijava num leve timbre de paixão ardente
Contudo não era o parvo,
Se te dissesse que era tudo verdade?

Vês? Quem é o parvo agora?
Eu que continuo a ouvir o rio escorrer-me o sangue da vida
Ou tu que surda e muda calas o silêncio
Porque nem ele o consegues ouvir?

Eu que entre linhas falei e entre palavras escrevi
Ou tu que só em palavras de subito nada te manifestas?
Vês? Os parvos são os outros.
Como eu gosto de ti!

Enfim, saber o que fazer com isto a acontecer
É ficar com o que vou ficar
Eu voltei, cá estou!

Não beijaste um parvo não,
Nada foi em vão
Não te deixar de tocar e tu sabes disso,
Mesmo quando a tua boca mente e o coração não sente!

E tu não voltas primeiro porque eu sei,
E em segundo porque eu não quero
E nada me doi mais do que isso.
Não o não voltares, o não querer que voltes!

Afinal beijaste um parvo e esse parvo não fui eu!
Foi um amor que batia no meu coração,
Mas esse já foi e nada mas há aqui.
Como eu gosto de ti!
Esse parvo... que tu beijaste.

Fábio Correia
 22-10-2011

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Desesperança





Parte IV - Sótão
Do livro Versos Rasgados.
Poema de Tiago D'Almeida e fotografia de Rita Luís.

"Penetra"


Penetra,
Sinto me um penetra nesta vida de anseios e lágrimas vãs
Sinto que não pertenco a esta sociedade estilizada
Onde me amarram a criatividade com correntes e algemas
E me deixam apenas espalhar o conceito aceite no contexto.

Quero me libertar, quero gritar,
Quero fazer correr tinta, escrever, declamar.
Quero prender todos aqueles que pretendem esconder-me do mundo
E soltar os criativos para criar a tão ansiada mudança.

Quero-me perder, fugir.
Quero esconder-me para sempre na incógnita do que vai ser,
Quero criar a minha própria identidade, a minha propria crença,
E deixar de seguir o caminho já por outros precorrido.

Quero ser eu.
Acima de tudo, quero ser eu.
Quero poder dizer ao mundo que o caminho seguido está errado.
Quero poder mostrar à sociedade que a sua linha de pensamentos está ultrapassada.
Quero exprimir-me livremente sem preconceitos pretensiosos.

Penetra.
Afinal, quero sentir-me um penetra nesta sociedade.
Sociedade imunda, cortante, decadente,
Que não deixa o criativo criar nem o pateta sorrir.
Que não aceita o diferente e aclama o que já está mais que visto.
Que prentende aprisionar a voz e o talento de quem se esforça para mudar.

Eu assumo.
Crio e gosto de criar.
Sou diferente porque o pretendo ser.
Sou livre, sou astuto e intolerante.
Resumindo, sou um penetra.

João Pina